Notícia

Ampliar fonte

Terça-feira, 13 de agosto de 2019

Painel sobre o futuro das universidades e institutos federais reuniu lideranças contra o Future-se e cortes de recursos para a Educação.

A defesa da educação pública reuniu representantes de entidades sindicais, universidades, institutos federais, estudantes, professores e trabalhadores de diversos setores no painel “O Futuro das Universidades e Institutos Federais no Brasil”, que a ADUFRGS-Sindical promoveu neste Dia Nacional de Luta, 13 de agosto, na UFCSPA. “Este é um momento histórico, de união de todos nós em torno de uma causa em comum, que é a defesa da educação”, sintetizou o reitor da UFRGS, Rui Oppermann.

O programa Future-se, a Emenda Constitucional 95 e os cortes de recursos para as instituições federais de ensino foram os principais temas levantados nas intervenções de 20 lideranças. Na mesa, estavam representadas, além da ADUFRGS, da UFCSPA e da UFRGS, a Andifes, Proifes-Federação, Andes, UNE, CPERS, CNTE, OAB-RS, MPF, UFPel, UFSM, Furg, UFFS, Unipampa, IFRS, CUT-RS, ASSUFRGS, Associação Mães&Pais pela Democracia, Academia Brasileira de Ciências, e Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Na plateia, havia outras inúmeras representações da sociedade civil organizada.

“É muito animador ver esse auditório lotado. Estamos aqui com vários segmentos da sociedade com o objetivo comum de defender o futuro do país e soberania da nação”, destacou o presidente da ADUFRGS, Paulo Mors. “Ao mesmo tempo é muito triste que seja necessário nos reunirmos para nos defendermos das ameaças à educação. Não estamos mais em luta, já é uma guerra”, completou.

As dificuldades para manter as universidades e institutos federais abertos diante do congelamento de investimentos e cortes de recursos permearam a intervenção de todos os reitores. A defesa da autonomia universitária também teve destaque nas manifestações, diante da ameaça do projeto que entrega a administração das instituições a Organizações Sociais. 

O painel antecedeu os atos que serão realizados ao longo de todo o dia não só pela educação pública, mas também contra a reforma da Previdência, que foi aprovada na Câmara dos Deputados e tramita, agora, no Senado. Veja o que foi dito no painel.

Paulo Mors, presidente da ADUFRGS-Sindical

“As barbaridades ditas pelo líder maior do país não são feitas no sentido de fazer piada. Por trás, está o capital rentista. Por trás, está a proposta de aumentar a desigualdade, a exploração dos trabalhadores, a subserviência da Nação.”

Lúcia Pellanda, reitora da UFCSPA

“O Future-se surge dentro de uma campanha contra a universidade pública, que diz que ela é muito cara, que os alunos andam sem roupa, que professores são marajás. Quem vai investir na universidade pública diante de todos os ataques? O futuro não está dado e nem pode ser decretado, a minha proposta é que a gente construa o futuro que a gente quer a partir de hoje.”

Renato Nakahara, representante da Associação Mãe&Pais pela Democracia

"Nós, mães e pais pela democracia, ressaltamos que nós estamos levantando afeto ao discurso extremamente racional em defesa da democracia. E vamos levar afeto às ruas hoje, como sempre levamos desde as primeiras manifestações de 2019. Estaremos juntos, ao lado da ADUFRGS e das universidades, em defesa da educação, contra o Future-se, contra a reforma da previdência e protegendo a nossa democracia.”

Frederico Bartz, coordenador da ASSUFRGS

“Estamos não só falando do Future-se, mas de uma lógica de ataque ao futuro da educação, a lógica de desconstruir os serviços públicos. Temos que lutar pela universidade, pelo país e pelo desenvolvimento social.”

Claudir Nespolo, presidente da CUT-RS

“O ciclo ruim não é para sempre. Nosso papel é encurtar o ciclo, denunciando os ataques à previdência, acordando o setor que acreditou que a democracia estava estabilizada e elegeu o que tem de pior na política. E o que tem de pior na política se juntou com o que tem de pior no exército brasileiro e o que tem de pior na justiça. E se juntaram todos para transformar este país em um fazendão”.

Sade Rosemberg, OAB/RS

“Estamos engajados nesse movimento, respeitando a sua importância e levando todas as propostas para que a OAB esteja junto na batalha e na garantia da soberania nacional.”

Gabriela Silveira, vice-presidente regional da UNE

“A balbúrdia que a gente promove na universidade pública é 95% da pesquisa realizada em nosso país. O lado de lá sabe que a universidade pública é um dos pilares do desenvolvimento nacional e a gente sabe que o governo atual não tem nenhum apego à causa nacional, muito pelo contrário, eles têm apego pela bandeira americana e não pela bandeira do nosso país.”

Antônio Gonçalves Filho, presidente do Andes-Sindicato Nacional

“O texto (do Future-se) está dizendo que somos incapazes de fazer a gestão das nossas instituições, o que é um absurdo, se não como estariam funcionando, principalmente no último período, com o corte de recursos?”

Solange Carvalho, vice-presidente do CPERS e representante da CNTE

“Enquanto o presidente faz piadas infames, seus ministros estão passando o trator por cima, entregando as nossas riquezas, e combatendo a educação e os educadores. Estamos sendo perseguidos e difamados, como seres perigosos, que doutrinam.”

Lúcio Vieira – vice-presidente da ADUFRGS-Sindical e diretor do PROIFES-Federação

“Temos que parar de falar só para nós e nos colocarmos dentro da sociedade para falarmos da educação pública como um direito universal. Esse é um passo determinante para o enfrentamento, um pacto social em defesa da democracia, porque quando se agride as universidades e institutos federais, se agride a democracia.”

Rubem Oliven, Academia Brasileira de Ciências

“Um encontro como o de hoje é fundamental, porque tenta e consegue reverter a narrativa. Temos que mostrar o que a universidade faz, o que os cientistas fazem, como é feita a pesquisa e que estamos abertos às propostas. Educação e Ciência são fundamentais para futuro do país.”

Carlos Alexandre Netto, conselheiro da SBPC

“O Future-se não é um projeto para a educação. A palavra educação aparece uma vez. Ele é um projeto para a economia, para a economia de recursos do governo federal. Ele é também um projeto ideológico, porque quem pensa, atrapalha. Então, o que a SBPC discutiu e é a mensagem que eu quero deixar aqui é que este é um momento em que a resistência é fundamental, e só se resiste com união e com clareza de valores.”

Enrico de Freitas, procurador dos Direitos do Cidadão

“A autonomia universitária não é tratada como um fim em si mesma, como se as universidades fossem um lugar apartado da sociedade. Precisa ser debatida com base em princípios do estado democrático de direito. Quando a gente fala em autonomia universitária é importante ressaltar que a sua ausência fere o estado democrático de direito, não só os bons trabalhos.”

Amilton de Moura Figueiredo, pró-reitor de Desenvolvimento Institucional do IFRS

“O Future-se não chega por acaso. Desde 2016 estamos sofrendo com os contingeciamentos e diminuição de recursos, impactando de morte a expansão e a consolidação da rede das Instituições Federais. O MEC empurra as instituições federais para o Future-se, estrangulando o nosso orçamento. Esta é a tática que eles estão utilizando."

Nádia Fátima Bucco, vice-reitora da Unipampa

“Saio daqui com esperança em ver estudantes e pais juntos neste momento de luta. Resistir é isso, é estar aqui e chamar a sociedade para a luta. Que momento estamos vivendo! Defender o óbvio, defender que a educação é um direito de todas as pessoas.”

Jaime Giolo, reitor da UFFS

“A universidade já viveu coisas parecidas, mas o momento atual é pior, porque há uma cruzada ímpar contra as universidades, uma tentativa de aparelhamento que se manifesta na indicação dos reitores.”

Cleuza Dias, reitora da FURG

“Esse programa (Future-se) não atende às nossas necessidades, não conversa com o modelo de universidade que nós temos. Esse é um momento de muita emoção, de intensidade, de defesa da universidade pública e mais inclusiva ainda, gratuita e socialmente referenciada, porque é isso que a caracteriza hoje.”

Paulo Afonso Burman, reitor da UFSM

“Eu não quero ver o patrimônio da Universidade Federal de Santa Maria na Bolsa de Valores. Certamente, nenhuma universidade quer se ver neste cenário.”

Pedro Rodrigues Hallal, reitor da UFPel

“O método de apresentação do Future-se foi inadequado, porque não discutiu com universidades e aconteceu no pior momento possível. O Future-se foi criado por economistas de baixo padrão intelectual, deslumbrados com o modelo americano, mas que não o entendem.”

Rui Oppermann, reitor da UFRGS

“As universidades e os IFs não foram ouvidos, cortando parceria virtuosa entre MEC e Andifes. Não há considerações sobre políticas para a educação (no Future-se), sua minuta é frágil em sua forma legislativa e o projeto induz à privatização do ensino, da pesquisa e extensão.”

Edward Madureira Brasil, vice-presidente da Andifes

“Este é um momento extremamente grave, mas alguns detalhes nos encorajam: esse conjunto de entidades unidas, coesas e lançando luzes neste momento de tantas dificuldades. Precisamos ampliar essa coesão, porque esse debate vai se dar nas ruas e no Congresso Nacional. Precisamos ampliar com todos os setores que têm compromisso com a sociedade no país.”

Confira as imagens.

#13A: IFEs, sindicatos e entidades nacionais se unem em defesa da educação

Painel sobre o futuro das universidades e institutos federais reuniu lideranças contra o Future-se e cortes de recursos para a Educação.