Notícia

Ampliar fonte

Sexta-feira, 01 de novembro de 2019

Campanha do sindicato fala de barrar o preconceito na hora de cuidar da saúde

A partir de 1º de novembro a sede da ADUFRGS-Sindical vai estar iluminada de azul para lembrar que o mês é dedicado à prevenção do câncer de próstata.

Além disso, a ADUFRGS também criou a campanha: Homem chora? Claro que sim! Mas não precisa chorar por falta de exames... 

Veja a campanha nas redes da ADUFRGS.

“A campanha fala da importância de barrar o preconceito na hora de cuidar da saúde”, explica a diretora de comunicação, Sônia Ogiba. Os exames PSA e de toque são os principais aliados dos homens no diagnóstico precoce do câncer de próstata. “Mas o preconceito impede muitos homens de ir ao especialista. A sociedade brasileira ainda se marca por raízes machistas, e por isso, muitos homens ainda têm vergonha de falar sobre o assunto. Por isso, a ADUFRGS quer contribuir para que os homens cuidem da sua saúde”.

Estatísticas 
De fato, o câncer de próstata é a segunda causa de morte por doença entre os homens no Brasil, atrás apenas do câncer de pulmão. Uma das explicações é que, historicamente, os homens vão menos aos consultórios. Assim, muitas enfermidades só são diagnosticadas em estágio avançado, o que dificulta o efeito do tratamento e, portanto, um maior número de óbitos. 

O ministério da Saúde aponta 68.220 novos casos em 2018. Esses valores correspondem a um risco estimado de 66,12 casos novos a cada 100 mil homens. 

Fatores de risco 
Existem alguns fatores que podem aumentar as chances de um homem desenvolver câncer de próstata. As informações são do Ministério da Saúde: 

  • Idade: o risco aumenta com o avançar da idade. No Brasil, a cada dez homens diagnosticados com câncer de próstata, nove têm mais de 55 anos.
  • Histórico de câncer na família: homens cujo o pai, avô ou irmão tiveram câncer de próstata antes dos 60 anos, fazem parte do grupo de risco.
  • Sobrepeso e obesidade: estudos recentes mostram maior risco de câncer de próstata em homens com peso corporal mais elevado.