Notícia

Ampliar fonte

Sexta-feira, 10 de julho de 2020

Posição da ADUFRGS-Sindical frente ao governo Bolsonaro

O governo federal insiste na postura de negar a gravidade da pandemia que assola o país, agindo, a nosso ver, de forma irresponsável contribuindo para acentuar a crise humanitária com seus desdobramentos, cujas mortes se aproximam de 70 mil por conta da Covid-19, na data de assinatura deste manifesto. Consequências dessa visão tem sido as frágeis políticas voltadas à saúde, educação e na gestão econômica, sem descartar as demais.  Estamos sem Ministro da Saúde há quase 60 dias e o Ministério da Educação, em menos de dois anos de governo já trocou duas vezes de ministro e atualmente estamos sem ninguém ocupando a pasta e sem um plano sério de retomadas das aulas.

            As tímidas políticas econômicas não têm servido para mitigar a seriedade da situação que por ausência de ações consistentes e robustas, tem levado o país às maiores taxas de desemprego, além de  inúmeras micro, pequenas e médias empresas que se inviabilizaram por falta de políticas públicas efetivas para socorrer economicamente estas instituições, enquanto o sistema financeiro teve todo o apoio governamental.

            O padrão de comportamento do atual governo tem sido o de acirrar o confronto com os demais poderes, procurando fragilizá-los e criar condições para o próprio enfraquecimento da democracia. Frente a este quadro a ADUFRGS-Sindical denuncia o governo Bolsonaro e responsabiliza-o pela tragédia humanitária que vivemos no país.

            Torna-se urgente a proteção das pessoas. O atual governo representa risco real para a saúde e para a vida dos cidadãos e suas atitudes autorizam plenamente a que o Congresso Nacional e o STF debatam seu afastamento por crimes contra a vida de milhões e por sua irresponsabilidade na condução da nação.

            Conclamamos todas as forças democráticas a cerrarem fileiras em defesa da Constituição, dos direitos democráticos, da cidadania, da vida e na busca de soluções democráticas e legítimas para este grave momento.
 

  Diretoria da ADUFRGS  - 10 de julho de 2020